Como limpar seu celular corretamente para evitar a propagação de vírus

Algumas recomendações comuns sobre a prevenção contra o coronavírus

Atualizado

Mulher limpando a tela do telefone celular com um pano

A chave para a prevenção contra o coronavírus está em conhecer os fatos e seguir orientações confiáveis. Mas com muita confusão e desinformação por aí, pode ser difícil saber o que fazer. Exploramos algumas perguntas frequentes e separamos os fatos dos mitos.

Preciso limpar meu celular?

Uma das principais recomendações da OMS é higienizar regularmente superfícies que sejam tocadas com frequência. Já sabemos que nossos celulares acumulam diversos tipos de germes através do uso diário e, por isso, o aparelho deve ser incluído na nossa rotina de limpeza. O celular não oferece necessariamente um risco maior de contaminação do que outros objetos de uso frequente (como suas chaves ou sua carteira, por exemplo), principalmente se você for o único a usá-lo.

No entanto, se você permitiu que outra pessoa o usasse ou usou o aparelho em locais movimentados ou em transportes públicos, você deve sem dúvida limpá-lo. Os principais fabricantes de smartphones anunciaram recentemente que é seguro limpar o telefone com lenços umedecidos que contenham 70% de álcool isopropílico ou lenços desinfetantes.

Eles alertam contra o uso de produtos químicos abrasivos ou até mesmo géis antibacterianos para as mãos no dispositivo (isso pode danificar o revestimento protetor da tela) e contra mergulhar o aparelho em qualquer produto de limpeza. Não tem lenços umedecidos à mão? Um pouco de água e sabão também funcionam.

Como limpar o celular corretamente para reduzir a transmissão de vírus:

  • Umedeça um pano de microfibra com água e sabão.
  • Esfregue delicadamente todas as superfícies duras e não porosas do aparelho, tomando cuidado para evitar a entrada de umidade nas saídas de som ou aberturas.
  • Seque seu telefone com um pano de microfibra limpo.

É importante realizar essa limpeza regularmente como precaução contra a transmissão de vírus, pois os aparelhos são contaminados por microorganismos sempre que tocados.

O que usar na prevenção contra o coronavírus: sabão ou álcool em gel?

Lavar bem as mãos com água e sabão continua sendo a melhor maneira de impedir a propagação do coronavírus.

Se não tiver acesso à água e sabão, os desinfetantes para as mãos à base de álcool que contenham pelo menos 70% de álcool também podem ser uma alternativa prática, embora a OMS e o SUS destaquem a água e o sabão como a principal forma de combater o vírus.

Se optar pelo álcool em gel, passe o produto em todas as partes das mãos, inclusive entre os dedos, nas unhas, juntas dos dedos, costas das mãos e até nos pulsos. Como na lavagem das mãos, esfregue-as por pelo menos 20 segundos. Se suas mãos estiverem visivelmente sujas (o que é comum para as crianças), dê prioridade à água e sabão, já que é comprovadamente mais eficaz - o atrito da lavagem ajuda a reduzir o número de microorganismos nas mãos, além de remover a sujeira e outros materiais orgânicos.

Devo usar máscara como proteção contra o Covid-19?

Se você estiver doente, elas podem ajudar a impedir que os microorganismos liberados através da sua boca e nariz entrem em contato com outras pessoas. Ainda assim, é fundamental lembrar que, caso apresente algum sintoma similar àqueles atribuídos ao coronavírus, é recomendado que você permaneça em casa.

No entanto, recentemente, o Ministério da Saúde recomendou que se usasse máscara como medida preventiva, mas as prateleiras das farmácias lutam para acompanhar a demanda. Assim, se estiver cuidando de alguém que possa estar infectado pelo coronavírus, ou se quiser aprender uma forma de fazê-las para se sentir mais resguardado, os especialistas da Universidade Federal de Santa Catarina se uniram para ensinar como fazer máscaras caseiras seguras.

É necessário higienizar itens recebidos pelo correio?

Segundo os especialistas em saúde, é bastante improvável que você se contamine com o coronavírus através de pacotes e cartas, mesmo que tenham sido enviados de áreas afetadas, por isso, não há necessidade de higienizar estes itens.

Embora os vírus possam permanecer vivos fora do corpo, sobre algumas superfícies (por isso é importante limpar regularmente as superfícies de alto contato), eles não sobrevivem tempo suficiente para que itens recebidos no Brasil de locais como Itália e China, por exemplo, representem risco de contaminação. A informação nesse artigo é precisa no momento da sua publicação. Entretanto, como a situação em torno do COVID-19 continua evoluindo, é possível que alguma orientação tenha sido alterada desde o momento da publicação. Enquanto Cleanipedia está tratando de manter nosso conteúdo o mais atualizado possível, nós recomendamos aos leitores a se manterem informados nas notícias e recomendações através do site do Ministério da Saúde e da OMS.

Publicado originalmente