Como ensinar a importância da reciclagem para crianças

Aprenda qual é a melhor abordagem para ensinar reciclagem para crianças e veja dicas para os pequenos preservarem o meio ambiente

Atualizado

Criança pequena brinca de fantasminha e está vestida com lençol branco na cabeça com dois furos nos olhos

Cuidar do meio ambiente é um ensinamento importante que deve ser passado para as crianças, uma vez que se todo mundo fizer sua parte para salvar o nosso planeta, podemos sonhar com um futuro melhor. No entanto, preservar a natureza e reciclar o lixo são tarefas que precisam ser ensinadas com lições e exemplos. Confira dicas para ensinar seus filhos como reciclar o lixo de casa.

Dicas de reciclagem para crianças

Em primeiro lugar, é importante lembrar que assim como em quase todas as lições ensinadas aos filhos, o exemplo é mais poderoso do que as palavras. Ou seja, para ensinar a separação dos resíduos, é importante que toda a família esteja engajada na reciclagem. Quando a preocupação com o meio ambiente já existe em casa, a criança cria o interesse para aprender cada vez mais sobre o assunto quando ele for abordado também na escola.

Em outras palavras: se a família toda separa os resíduos por categorias antes de descartá-los, é bastante provável que as crianças sigam o exemplo dos pais, tomando cuidado para não misturar plástico e vidro, por exemplo.

Além de mostrar na prática, é interessante explicar com palavras, e de modo gentil, quais os critérios da separação do lixo. A boa notícia é que esse aprendizado pode começar bem cedo: aos três anos já é possível entender e fixar esses conceitos!

Ensinando na prática

Para ensinar reciclagem às crianças, o primeiro passo é mostrar como o lixo deve ser selecionado para que possa ser reciclado no futuro. A lição fica mais lúdica quando a criança participa da escolha das cinco lixeiras coloridas: cada uma delas será destinada a um tipo de rejeito! Além de facilitar a fixação dos conceitos, essa separação por cores evita que as lixeiras sejam confundidas e torna o processo mais interessante.

Na verdade, o critério de cores faz parte de um padrão mundial adotado para o sistema de coleta seletiva do lixo. Além do Brasil, vários países utilizam os mesmos tons como parâmetro a ser seguido. Você não precisa necessariamente escolher as mesmas cores, o mais importante é que o lixo seja agrupado e descartado corretamente. No entanto, se for possível, vale adotar o padrão oficial. Nesse caso, você vai precisar de cinco lixeiras nas seguintes cores:

  • Vermelho: destinada a todos os rejeitos de plástico, como embalagens e garrafas PET
  • Azul: na lixeira azul vão os resíduos de papel e papelão, exceto papel higiênico usado e guardanapos sujos.
  • Verde: aqui vão todos os tipos de vidros, exceto espelhos e cristais.
  • Amarelo: Já a cor amarela é para os lixos de metal, como embalagens metálicas, pregos e clipes.
  • Marrom: o lixo orgânico, caracterizado pelos restos de comida e plantas, deve ser descartado aqui.

Em todos os tipos de lixo, é importante lembrar que as embalagens devem ser descartadas limpas e secas. É sempre importante passar um jato de água e esperar que elas sequem antes do descarte, pois se estiverem sujas com material orgânico, o processo de reciclagem será muito mais complicado. O ideal é que os pequenos também sejam envolvidos nessa etapa.

Assim, com uma lixeira para cada tipo de lixo, o processo de aprendizagem é facilitado para todos os membros da família e, especialmente, para as crianças. A ideia é que a separação do lixo também seja um momento leve, onde é possível aprender brincando, sem recriminar se houver alguns erros durante o aprendizado.

Como educar as crianças para reduzirem o lixo

Além de ensinar as crianças a separarem o lixo corretamente, também é interessante explicar a importância da redução do lixo produzido em casa.

Uma dica é lembrar da regrinha dos quatro “R”: reduzir, reutilizar, reciclar e recuperar. Ou seja, é preciso reduzir ao máximo a quantidade do lixo, reutilizando aquilo que possa ser aproveitado novamente, reciclando o restante através da separação de lixo e recuperar o que for preciso, sem trocar por algo novo. No dia a dia, algumas lições podem ser valiosas:

Reutilizar os brinquedos

Se um brinquedo quebrar, por exemplo, vale fazer a criança refletir se há ou não como consertar o estrago ou mesmo dar um novo uso ao brinquedo quebrado. Um carrinho sem uma roda pode acabar virando um vaso de suculentas para decorar o quarto, por exemplo.

Ensinar a levar sua própria eco bag no mercado

No dia a dia, também é uma boa ideia ensinar os pequenos a dispensarem o máximo possível as embalagens desnecessárias. Recusar sacolas no mercado e canudos na lanchonete são um bom começo. Vale até mesmo oferecer uma pequena eco bag para que a própria criança possa ajudar, carregando alguma compra bem leve.

Construir brinquedos a partir de sucata

Outra boa ideia é incentivar as crianças a construírem seus próprios brinquedos a partir de sucata. Vale deixar uma sacola separada com tampinhas, embalagens, papel colorido, lacre de latinhas e qualquer outro material que possa ser transformado em outra coisa facilmente. Além de fazer o bem para o meio ambiente, esse tipo de brincadeira ajuda a despertar a criatividade infantil.

Reutilizar embalagens

Também vale incentivar a criatividade dos pequenos para reutilizar embalagens. Potes de sorvete podem ser ótimos para guardar pequenos brinquedos, enquanto caixas de papelão se tornam casinhas de boneca ou castelos para soldadinhos de chumbo, sem muito esforço.

Publicado originalmente